‘Minha tarefa é reconciliar o Brasil’, diz Ciro no Jornal Nacional


Para ele, é preciso “denunciar” as ações o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o chefe do Executivo, Jair Bolsonaro

O candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT), segundo sabatinado na série de entrevistas do Jornal Nacional com os principais nomes na disputa ao Palácio do Planalto ao longo desta semana, disse que o processo eleitoral de 2018 está a se repetir no País. Para ele, é preciso “denunciar” as ações o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (PL).

“A corrupção é praticada por pessoas e o desastre econômico é responsabilidade de pessoas e de grupos. Elas têm que ser responsabilizadas”, disse Ciro.

Ao longo dos 40 minutos de entrevista, Ciro centrou em atacar as gestões de Bolsonaro e de Lula. Para ele, a frustração com o atual chefe do Executivo, fará o País voltar ao “fracasso”.

Além de atacar a gestão da pandemia de Bolsonaro, o pedetista rebateu as falas do presidente sobre a ausência de corrupção no Brasil. “A corrupção no Brasil está se institucionalizando tal como é o despudor”.

Bonner insistiu com Ciro sobre a dificuldade de um presidente eleito sem apoio no Congresso para aprovar medidas no Legislativo e questionou como ele pretende colocar em prática as propostas de campanha.

“O Bivar que é presidente do União Brasil me pediu para deixar a porta aberta até o último dia. No fim, foi honesto. Disse: “Olha, o problema não é o Ciro. São as ideias dele”. Eu represento uma espécie de movimento abolicionista em um sistema escravista.

“O primeiro ano de FHC transcorreu em branco. Qual foi a concepção estratégica do Lula? Ambos se prostraram em um modelo econômico que produz desigualdade, informalidade, desemprego e destruição dos serviços públicos”, afirmou Ciro.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma das propostas de Ciro é ampliar os plebiscitos e referendos. Renata questionou Ciro se as medidas não colocam em xeque a relação entre a Presidência e o Legislativo.

“Eu acho o regime da Venezuela abominável. É muito clara a minha distinção com esse populismo sulamericanao que o PT, infelizmente, replica aqui. É uma tentativa de liberar o Brasil de uma crise que corrompeu a Presidência da República. Chegamos ao limite das emendas do relator. Eu vi ontem o cidadão aqui falando que não tinha corrupção. A corrupção está se institucionalizando. O mais importante é estabelecer mediação com governadores e prefeitos que têm prevalência sobre os grupos de pressão. Vou libertar 15% das receitas de SP, RJ, MG e RS, que estão falidos. Vamos combinar um grande projeto de investimento”, disse.

Ciro afirmou ainda que Bolsonaro e o PT “reduziram a política a uma coisa odienta”.

“A tradição de desemprego no Brasil é de 4%, 5%. Já batemos em 12%. Estamos em 10%. Estamos mandando para a velhice daqui a 15 anos, 50 milhões de brasileiros que não terão cobertura previdenciária. A política não pode ser reduzida a essa coisa odienta, de que o Bolsonaro é um protesto contra a corrupção e a crise econômica que o PT produziu e agora vamos voltar ao passado”, disse.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bonner questionou se Ciro pretende concorrer à reeleição e como isso facilitaria a relação dele com o Congresso, caso eleito.

“O que destruiu a governança brasileira é a reeleição. O presidente se vende a grupos picaretas da política brasileira porque tem medo de CPI e querem se reeleger. Eu me garanto. Não sou corrupto. Não tenho medo de CPI. Abrindo mão da reeleição eu vou fazer as reformas que o Brasil precisa. Quem você escolher, é com esses que sou democraticamente obrigado a negociar. A minha diferença é que o Bolsonaro, por exemplo, denunciou isso e fez o oposto. O PT fez o tempo inteiro a denúncia da corrupção dos outros e depois negociou nas mesmas bases. O que eu prometo? Negociar sem toma-lá-dá-cá”, disse.

Além dele, o presidente Jair Bolsonaro (PL) foi o primeiro a ser ouvido, no programa da segunda-feira. Na quinta-feira, será a vez do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT); a senadora Simone Tebet (MDB-MS) será a última a participar, na sexta-feira

Ciro está na terceira posição na corrida presidencial. O agregador de pesquisas eleitorais do Estadão aponta Ciro com 7% das intenções de voto.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O pedetista já citou em mais de uma entrevista que essa é a última disputa presidencial que ele pretende concorrer. No Roda Viva, da TV Cultura, no dia 15 de agosto, Ciro defendeu que uma possível eleição do ex-presidente Lula será o “maior estelionato eleitoral do planeta” e disse que o petista, seu ex-aliado, e Bolsonaro são “dois corruptores”.

Estadão Conteúdo


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published.