Lula reduz vantagem de Bolsonaro entre evangélicos, segundo Datafolha


Na rodada anterior, os índices eram de, respectivamente, 28% e 51%. A margem de erro nesse segmento é de 4 pontos para mais ou para menos

Joelmir Tavares
São Paulo, SP

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está atrás de Jair Bolsonaro (PL) entre eleitores evangélicos, mas reduziu a vantagem do presidente dentro desse grupo entre a pesquisa Datafolha da semana passada e a divulgada nesta quinta-feira (15).

A diferença, que era de 23 pontos, foi para 17. Lula marca 32% de intenções de voto dentro desse segmento (que compõe 27% da amostra), ante 49% do rival. Na rodada anterior, os índices eram de, respectivamente, 28% e 51%. A margem de erro nesse segmento é de 4 pontos para mais ou para menos.

Lula e Bolsonaro têm na média do eleitorado uma diferença de 12 pontos no índice de intenção de voto, mas registram intervalos bem distintos em vertentes específicas da população, como é o caso dos fiéis evangélicos, da camada mais pobre e das mulheres.

O petista, que marca 45% no primeiro turno e lidera a corrida ao Planalto, vê sua vantagem sobre o rival se ampliar ou diminuir dentro de grupos específicos. Em outros casos, o atual presidente, que pontua 33%, abre dianteira sobre o ex-mandatário e chega a encabeçar as preferências em alguns estratos.

Feito de terça (13) a quinta-feira (15), o levantamento tem margem de erro geral de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um índice de confiança de 95%. O instituto ouviu 5.926 eleitores em 300 municípios. A pesquisa, contratada pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo, está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o número BR-04099/2022.

O eleitorado evangélico é um dos mais disputados nesta eleição, e até aqui tem caminhado com maior obstinação rumo à candidatura de Bolsonaro, que explora sua ligação com líderes do setor e o fato de a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, ser evangélica. Ela participa ativamente da campanha.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lula mantém ampla vantagem dentro do grupo de eleitores com renda familiar mensal de até dois salários mínimos, que corresponde a 49% da amostra da pesquisa. O petista, no entanto, viu sua diferença para Bolsonaro dentro dessa faixa recuar entre o levantamento da semana passada e o atual.

Entre os eleitores mais pobres, Lula alcança 52% (eram 54% na pesquisa anterior). Bolsonaro registra 27% (eram 26%). Nesse recorte por renda, a margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

O candidato do PT e o do PL preservaram estabilidade nos índices entre a população feminina, outro ponto de atenção das campanhas, já que as mulheres são maioria no eleitorado (elas representam 52% da amostra coletada na pesquisa).

Os índices de ambos são os mesmos da semana anterior. Lula possui 46% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro tem 29%. O presidente, que se esforça para conquistar votos de mulheres, sofreu um revés no início da semana com a agressão verbal cometida por um apoiador contra uma jornalista.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O deputado estadual Douglas Garcia (Republicanos) hostilizou na noite de terça-feira (13) a jornalista Vera Magalhães, no fim do debate entre candidatos ao Governo de São Paulo organizado pela Folha de S.Paulo, UOL e TV Cultura. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do presidente, condenou as agressões.



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published.