IRB perto de atingir limite de short; taxa de aluguel bate 45%


Tem tanto investidor querendo ‘shortear’ o IRB que a quantidade de ações alugadas da empresa está muito perto de bater o limite definido pela B3 de 25% do free float (as ações em circulação no mercado). 

Quando – e se – isso acontecer, a Bolsa vai informar ao mercado, interromper o registro de novos contratos e determinar o encerramento de operações para que o limite volte a ser respeitado. 

O aluguel de ações é uma parte fundamental para montar uma posição ‘vendida’ em uma ação.  

Hoje, há cerca de 316 milhões de ações do IRB alugadas. Na tela da Bloomberg, a posição equivale a 25,12% do free float, mas a Bolsa faz ajustes nesse cálculo para evitar alguma dupla contagem de contratos de aluguel que vão vencer e são rolados antecipadamente. 

Até o início de julho, o aluguel com ações do IRB estava na casa de 200 milhões de ações (16% do free float). 

A quantidade de operações começou a subir e superou os 250 milhões de ações a partir de meados de julho, depois que a empresa divulgou um prejuízo de R$ 273 milhões em maio. 

As operações tiveram um novo salto após o resultado do IRB no segundo trimestre, quando a  companhia reportou uma insuficiência de R$ 613,8 milhões do patrimônio líquido ajustado em relação ao capital mínimo requerido; e uma insuficiência de R$ 730 milhões no enquadramento da cobertura de provisões técnicas e liquidez regulatória. 

Para resolver a situação, o IRB  estuda um aumento de capital, venda de participações imobiliárias e societárias e operações estruturadas de retrocessão. Uma solução que não seja o aumento de capital a um desconto elevado poderá pegar no contrapé os ‘vendidos’ na ação, causando um short covering brutal dada a baixa liquidez do papel.

A taxa cobrada para o empréstimo das ações do IRB também disparou em pouco mais de um mês, saindo de 20% para os 45% de hoje. A taxa só perde para os 49% cobrados para alugar os papéis do TC. (Esses patamares de taxa estão muito acima da média do mercado, que gira ao redor dos 5%).

As informações no mercado eram de que hoje havia brokers recusando operações de aluguel com o papel. O IRB tem 267 mil pessoas físicas como acionistas. 

Além do limite de 25% do free float  para operações de aluguel de ações, a B3 ainda tem uma limitação de 5% por investidor. Essas travas evitam situações como a que aconteceu no caso da GameStop, em janeiro do ano passado, quando alguns hedge funds sofreram perdas significativas por conta de shorts na ação. 

Nesse episódio, milhões de investidores pessoas físicas combinaram no Reddit de comprar ações da GameStop, uma rede de lojas de games, para fazer a ação subir e prejudicar grandes investidores, que estavam ‘vendidos’ na ação. 

Eles só tiveram sucesso porque no mercado americano não há qualquer limitação para aluguel de ações. Na época, a posição ‘vendida’ em GameStop era de mais de 125% do free float



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published.